liten feil

Achou que era invencível.

Saiu, lutou, morreu. Morreu na alma e abandonou seu coração na esquina.

Escreveu e apagou. Desistiu e por pouco não salvou sua vida como rascunho.

Dramática, escreveu umas mentiras e publicou. Ninguém vai ler e ninguém vai dar opinião. O que custava ela tornar sua vida mais interessante para os outros no papel. Nunca lutou nem nunca morreu.

Mas quem liga para palavras comuns, afinal morrer é sempre tão impactante. Que tal se eu contasse que nunca mais senti nada e quem achou meu coração o usa e sofre com ele até hoje? Mas é mentira. Meu coração nunca me deixou. O amor e alma nunca abandonam ninguém.

Um brigadeiro sempre ajuda. E isso não é mentira.

Anúncios
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ctrl alt del

Escrever e depois apagar. Fazer e querer voltar atrás. Não é meu caso, mas poderia ser.

Que tal eu parar de me preocupar se um alguém vai interpretar errado um texto.  Nem sempre o que eu escrevo é meu, nem sempre aquele mundo é seu.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Se eu tivesse de passar todos os segundos de minha vida
ao lado de um único alguém, esse alguém seria você!

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Cheguei a conclusão que pessoas lêem textos fáceis, como este.
e não textos bons, como alguns outros.

Publicado em Post_nada | Deixe um comentário

for listening before dying


mas eu gosto mais da versão do across the universe, é tao tão linda

só achei na versão do across

poisé, chega hihi
sei que tem mais, bem mais. Mas por hoje está bom, logo eu volto.

Publicado em Beatles, Música, Post_nada | Deixe um comentário

eu sei que ninguém vai ler o post de baixo. eu não leria se fosse você…

eu jogaria isto:
Play BioMass

e ouviria esse musica:
http://www.youtube.com/watch?v=z_7hxmcUvh0

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

vezes

As vezes, tenho ataques.
As vezes, tenho ataques maiores.
AS vezes ele tem motivo, as vezes não.
As vezes quero um abraço, as vezes que você fique bem longe.
Mas na maioria das vezes mesmo querendo você longe, quero você perto, me dando abraço.
As vezes, mas só as vezes, quero dormir pra acordar. Na maioria das vezes eu quero acordar e não ter que dormir.
As vezes eu acho, as vezes tenho certeza, mas certeza só bem as vezes.
As vezes meu coração diminui, as vezes aumenta, mas nunca quebra.
Pelo menos nunca quebrou, eu acho. Acho que coisas quebradas nunca voltam a ser as mesmas. Coisas com pequenos danos sim. Mas isso eu acho que só as vezes.
As vezes é bom a gente cuidar do coração da gente.
As vezes também é bom que cuidem do coração da gente.
Na verdade o ideal seria se sempre tivesse alguém cuidando do nosso coração.
Como, eu acho que tenha na maioria das vezes. As vezes.
As vezes, na maioria das vezes, eu choro. Nas outras vezes eu choro pra dentro.
E isso não bom mesmo que seja as vezes. Chorar pra fora espalha, pra dentro a gente guarda.
As vezes meus textos fazem sentido, na maioria das vezes só pra mim.
As vezes nem pra mim, mas na maioria das vezes só pra mim.
Este, eu não sei. Por enquanto só pra mim. Mas as vezes as coisas mudam. Como amor. Porque amor não acaba nunca, só muda. E muda de novo. E de novo.
Outras coisas não mudam. Como o gosto de algumas coisas. Lágrimas sempre foram salgadas, e até minha experiência mais recente com lágrimas, ainda são. Então lágrimas não são salgadas as vezes. São salgadas sempre. Canela tem cheiro de canela sempre. Açafrão é amarelo sempre. Bichos de pelúcia são fofos sempre. Mesmo com olhos faltando ou coisa parecida.
Mas as vezes eu preciso escrever o que eu penso, pra poder entender.
Porque na maioria das vezes eu não me entendo.
Mentira. Eu sempre me entendo. Mas as vezes nem todo mundo se entende. Mas só as vezes.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário